Li que o Netflix já fatura mais do que o SBT – só no Brasil, hein? – e tenho que confessar que eu eu me entreguei a seus encantos. O que é melhor do que TV sob demanda, episódios e mais episódios seguidos sem a necessidade de esperar o hiato entre uma temporada e outra, filmes variados na hora que você quiser? Poucas coisas na vida, eu lhe digo.

O Netflix tem feito algumas produções próprias e comprado outras, o que nos leva ao tema do meu vídeo. Recentemente, uma série chamada “Making a Murderer” caiu na boca do povo e começou a ser comentada, logo pensei que seria um seriado novo tipo um Dexter da vida. Fiquei supresa ao ver que é uma série documental e que fui conquistada no primeiro episódio pela curiosidade que me causou.

A série conta a história de Steven Avery, um homem que foi acusado falsamente de ter cometido um estupro e ficou 18 anos preso, até que um teste de DNA o provou inocente. Pouco tempo depois, ele foi colocado na cadeira de novo por um assassinato. Será que foi ele mesmo quem cometeu? Por que o sobrinho dele confessou e retirou a confissão tantas vezes? Será que os advogados de defesa conseguirão convencer o júri de que Steven é inocente? Não vou dar nenhum spoiler, mas quem assistiu precisa ver meu vídeo abaixo, ou clicando aqui.

Espero que se divirtam com as 15 coisas que eu pensei – e sei que muita gente também! hahaha – vendo Making a Murderer! Aqui vai uma capa alternativa que fiz pro vídeo e não usei:

making a murderer capa

Boa maratona! Se vocês forem como eu, vão acabar com a série em 3 dias, apesar dos longos episódios de 1 hora…