Anunciei no meu canal há alguns dias que estava indo passar alguns meses na Itália para reconhecer a minha cidadania. Eu sou descendente de italianos e recentemente averiguei junto a alguns membros da família a possibilidade de podermos reconhecer a origem italiana – aqui se diz que reconhece, não “tira” a cidadania, pois os descendentes por sangue são “italianos não reconhecidos” ainda hehe – e embarquei em uma aventura para ser cidadã ítalo-brasileira.

Decidi falar um pouco melhor sobre isso aqui no blog e no canal porque estou recebendo muitas perguntas sobre cidadania italiana, então vou contar do processo no passo-a-passo para quem tem dúvidas. Já fiz um vídeo no meu canal em fevereiro dizendo sobre quem tem direito a essa cidadania e falando do básico do processo, e também contei um pouco da história da minha família. Você pode ver esse vídeo clicando aqui.

Pois bem, na segunda-feira, dia 19/06/17, aterrisei em Milão junto com o meu irmão a fim de reconhecermos nossa cidadania quase 6 meses depois de decidirmos que o faríamos, em janeiro. Estamos na região da Lombardia, no norte da Itália. Vou produzir mais posts sobre como a minha vida está aqui, sobre o veganismo na Itália, minhas viagens para conhecer melhor o país e também sobre a cidadania.

Tem muita gente perguntando por que eu escolhi a Itália, e o que eu vim fazer  aqui, quanto tempo eu vou ficar… Expliquei nos últimos 2 vídeos a minha ida e respondi algumas perguntas! Você pode ver o vídeo do meu “anúncio” da viagem aqui e o vídeo respondendo perguntas aqui. Aproveitando, vou deixar eles aqui nesse post também.

 

 

Agora, um pouco sobre o processo de cidadania:

Na minha família, sempre soubemos da origem italiana e sempre houve um pouco da preservação disso de uma certa forma na cultura familiar. Meu avô era neto de italiano – é o nosso “antenato” – e sempre cozinhávamos pratos italianos, tínhamos afeto de sobra e todos falávamos alto e ao mesmo tempo nos encontros, sabe como é? Hahaha

Mas também sempre houve uma história de que os documentos do antenato haviam sido queimados (?) que não sei se onde surgiu, além de que todo mundo sempre achou legal a possibilidade de reconhecermos a cidadania mas era sempre um “mito” na família.

Foi quando uma prima de 3º grau resolveu ir atrás dos documentos para entrar com o processo no consulado do Rio de Janeiro e compartilhou em um grupo que temos no facebook dos descendentes do nosso antenato os achados dela, que fez com o auxílio de um tio, e tudo foi ficando mais claro.

Foi quando meu irmão e eu decidimos também entrar com o processo, mas não pelo Brasil, e sim direto na Itália. Pesquisamos bastante na internet e começamos no processo.

Vou escrever alguns posts com os detalhes de cada etapa, pra facilitar. Por enquanto, apenas recolhemos a documentação no Brasil e viajamos até a Itália. O nosso voo foi direto do Brasil (Guarulhos) pra cá (entrando em Milão), e com o carimbo no passaporte já demos entrada em um número de “CPF” italiano – se chama “codice fiscale” junto à receita federal, que é o primeiro passo. Vou explicar com mais detalhes em breve!

Depois de entrar com o processo ontem, fomos passear um pouco. Fiquei muito feliz de saber que as opções veganas aqui na Itália estão bem diversas e espalhadas por aí! Se quiserem me seguir no instagram (@_luisaferrari), eu tenho postado muita coisa legal por lá, no stories e na timeline normal, sobre a comida aqui e algumas fotos dos locais também.

Então fiquem atentos porque vem mais posts sobre tudo: a Itália no geral (turismo), a comida vegana por aqui e sobre a cidadania também 😉